Relatório de monitorização das linhas vermelhas para a COVID-19 – 23/07/2021

23-07-2021

A Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) divulgam o relatório n.º 17 de monitorização das linhas vermelhas para a COVID-19. O relatório inclui os diversos indicadores descritos no documento das Linhas Vermelhas, nomeadamente a incidência a 14 dias e o índice de transmissibilidade (R(t)), nacionais e por região de saúde.

Do presente relatório, destacam-se os seguintes pontos:

  • O número de novos casos de infeção por SARS-CoV-2/ COVID-19 por 100.000 habitantes, acumulado nos últimos 14 dias, foi de 427 casos, com tendência crescente a nível nacional;
  • O valor do R(t) apresenta valores superiores a 1 ao nível nacional (1,07) e em todas as regiões de saúde, indicando uma tendência crescente da incidência de infeções por SARS-CoV-2. Esta tendência crescente é mais acentuada nas regiões Norte e Alentejo, que apresentam um R(t) de 1,16 e 1,11 respetivamente;
  • O limiar de 240 casos/100 000 habitantes na taxa de incidência acumulada a 14 dias já foi ultrapassado a nível nacional e nas regiões Norte, LVT, Alentejo e Algarve. A manter-se a taxa de crescimento atual, estima-se que o tempo até que a região Centro atinja este limiar seja inferior a 15 dias. O Algarve apresenta agora uma taxa de incidência acumulada a 14 dias superior a 960 casos por 100.000 habitantes;
  • O número diário de casos de COVID-19 internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) no continente revelou uma tendência crescente, correspondendo a 70% (na semana passada foi de 68%) do valor crítico definido de 255 camas ocupadas;
  • A nível nacional, a proporção de testes positivos para SARS-CoV-2 foi de 5,2% (na semana passada foi de 4,9%), valor que se mantém acima do limiar definido de 4%. Observou-se um aumento do número de testes para deteção de SARS-CoV-2 realizados nos últimos sete dias;
  • A proporção de casos confirmados notificados com atraso foi de 4,8% (na semana passada foi de 4,6 %), mantendo-se abaixo do limiar de 10%;
  • Nos últimos sete dias, pelo menos 86% dos casos de infeção por SARS-CoV-2 / COVID-19 foram isolados em menos de 24 horas após a notificação e, no mesmo período, foram rastreados e isolados, quando necessário, todos os contactos em 73% dos casos;
  • A variante Delta (B.1.617.2), originalmente associada à Índia, é a variante dominante em todas as regiões, com uma frequência relativa de 94,8% dos casos avaliados na semana 27/2021 (5 a 11 de julho) em Portugal;
  • A análise dos diferentes indicadores revela uma atividade epidémica de SARS-CoV-2 de elevada intensidade e tendência crescente, disseminada em todo o país e que afeta todas as idades, atualmente com maior impacto nas regiões Algarve, LVT e Norte. No último mês, o aumento da atividade epidémica, associado ao predomínio crescente da variante Delta, tem condicionado uma subida gradual na pressão dos cuidados de saúde. Ainda que o atual risco de infeção nos grupos mais velhos seja menor do que o da população em geral, o incremento do número de casos no grupo etário acima dos 80 anos pode vir a condicionar um aumento de número de internados e eventualmente do número de óbitos nas próximas semanas.

Monitorização das linhas vermelhas para a COVID-19 | Relatório nº 17 – 23/07/2021

imagem do post do Relatório de monitorização das linhas vermelhas para a COVID-19 – 23/07/2021