Instituto Ricardo Jorge colabora na elaboração de guidelines da OMS para águas balneares

14-07-2021

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, através do seu Departamento de Saúde Ambiental (DSA), colaborou na elaboração das novas guidelines da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as águas balneares. A monitorização das areias de praias para fungos e enterococos são uma das recomendações que constam do documento da OMS, divulgado dia 13 de julho, que se foca principalmente na gestão da qualidade das águas balneares.

A revisão das guidelines da OMS, que teve início em 2019, contou com a colaboração de especialistas em várias áreas da gestão de águas balneares e recreativas. À semelhança das águas de consumo, as novas orientações contemplam planos de segurança e preservação de massas de água, com o objetivo de estimular a conservação da sua boa qualidade, evitando poluição em contextos já conhecidos de contaminação comum.

A publicação agora divulgada não aborda temas periféricos da atividade recreacional em águas balneares, como a exposição solar, o perigo do afogamento e animais marinhos perigosos, cobertas por outros documentos da OMS, abordando principalmente a gestão da qualidade das águas. Neste sentido, foram considerados apenas temas relacionados e de relevo para a saúde humana, como microrganismos aquáticos (p.e. Vibrio e Leptospira), cianobactérias e as suas toxinas, e, finalmente, a qualidade das areias como fonte potencial de microrganismos patogénicos e de poluição fecal das águas que as banham.

Há quase 30 anos que o tema da qualidade de areias tem sido desenvolvido pelo INSA, razão pela qual João Brandão, especialista do INSA em exposição ambiental a contaminantes microbiológicos de águas e areias, integrou a equipa de desenvolvimento das novas orientações da OMS. Desde 2000, João Brandão tem vindo a fazer a ponte entre a sociedade civil, a comunidade científica e instituições governamentais e não-governamentais, para que se desenvolvessem critérios de avaliação de praias baseados também na monitorização das areias, tendo estabelecido colaboração internacional para desenvolver este tema.

As novas recomendações da OMS, baseadas parcialmente em trabalhos já publicados pelo especialista do INSA, foram integradas pela organização da Bandeira Azul que em Portugal já iniciou a integração em escala-piloto nas costas Nacionais, para ser expandido à escala Nacional e Internacional como critério guia para a época balnear de 2022. Para consultar o documento “Guidelines on recreational water quality: Volume 1 coastal and fresh waters”, clique aqui.

Além da publicação das guidelines da OMS, o ano 2021 ficará também marcado, ao nível da gestão de águas balneares e de recreio, com o início da revisão da Diretiva Europeia das águas balneares e inclusão, pela primeira vez, da recomendação internacional de monitorizar areias de praias para fungos e enterococos.

imagem do post do Instituto Ricardo Jorge colabora na elaboração de guidelines da OMS para águas balneares