HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL – UMA EXPOSIÇÃO DO MUSEU DA SAÚDE

26-12-2016

A exposição “Hipertensão arterial em Portugal – uma exposição do Museu da Saúde” juntou-se às comemorações do INSA para do Dia Mundial da Saúde, o qual, em 2013, foi dedicado a esta doença crónica.

O tratamento e controlo da HTA no futuro, passa por uma estratégia concertada com outras doenças não transmissíveis (DNT), conforme as recomendações da OMS, numa cimeira das Nações Unidas realizada em Nova Iorque, em Setembro de 2011. Foi emitida a todos os países membros a recomendação para concentrarem os seus esforços na promoção de estilos de vida saudáveis e o estabelecimento de metas concretas a atingir até 2025, em que se inclui uma redução da prevalência de HTA em 25% e consumo de sal na dieta até 5g/dia.

Este ano, é a segunda vez que a OMS escolhe HIPERTENSÂO como lema do DIA MUNDIAL da SAÚDE – 7 de Abril. A primeira em que tal aconteceu já foi há 35 anos (1978). Entretanto, os profissionais de saúde e suas organizações representativas têm permanecido constantemente ativas, com iniciativas de intervenção comunitária, no Continente e Regiões Autónomas. A sociedade civil e o poder local têm vindo a associar-se anualmente, ao Dia Mundial da Hipertensão, que se celebra todos os anos a 17 de MAIO, promovido pela Sociedade Portuguesa de Hipertensão.

A exposição “Hipertensão arterial em Portugal – uma exposição do Museu da Saúde” juntou-se às comemorações do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA, IP) para a comemoração do Dia Mundial da Saúde, o qual, em 2013, foi dedicado a esta doença crónica.

A mostra foi instalada no INSA, IP, e ficou patente de 11 de Abril a 11 de Junho de 2013, e apresentou um conjunto de documentação e de objetos museológicos com o objetivo de sensibilizar o público para a prevenção da doença com uma mostra expositiva dedicada aos principais atores (individuais e coletivos) e áreas de investigação/intervenção, numa perspetiva cronológica.

Organizada em quatro núcleos, o Museu da Saúde teve a oportunidade de apresentar parte do seu acervo documental e museológico dedicado a esta temática.

O primeiro núcleo foi dedicado à doença, apresentando documentos e livros que remetem para a definição médica da Hipertensão, acompanhados de elementos expositivos (placa de texto), permitindo divulgar conceitos ao grande público. Este núcleo apresentou, também, à apresentação de documentos que remetem para a resposta que o Estado deu no que concerne ao estudo e combate da doença.


Boletim de Educação Sanitária da Direcção-Geral de Saúde, 1982
Boletim dedicado à Hipertensão Arterial, numa coletânea de textos sobre o tema, de autoria de vários especialistas: J. Castel Branco Mota, Fernando de Pádua, A. Corrêa Nunes, J. Pereira Miguel, António Barbosa, Manuela Santos Pardal e Yolanda Corsépius.

A exposição continuou com um segundo núcleo intitulado “A Hipertensão na Comunidade e na Clínica” onde foram apresentados trabalhos académicos dedicados ao estudo da doença, na vertente comunitária e na prática clínica, esta última centrada ao individuo e a primeira na população. Neste núcleo destaca-se uma Tabela Geracional, que apresenta os principais especialistas portugueses das últimas quatro gerações.

Núcleo 2 – A Hipertensão na Comunidade e na Clínica.


A Hipertensão Arterial na Comunidade. Estudo observacional e experimental de epidemiologia clínica, 1997
Dissertação para doutoramento apresentada à Faculdade de Medicina de Lisboa por Evangelista Casimiro Rocha, trabalho realizado no Centro de Estudos de Cardiologia Preventiva do INSA, Instituto Nacional de Cardiologia Preventiva e Instituto de Medicina Preventiva da FML.

Hipertensão arterial. Clínica, diagnóstico e terapêutica, 1993

Edição do Prof. J. Nogueira da Costa e do Prof. J. Braz Nogueira, esta monografia pretende rever e actualizar os estudos sobre Hipertensão Arterial, convidando vários especialistas com particular vivência em diferentes campos desta temática e que incluíram dados e conhecimentos da sua experiência.
Nesta monografia encontram-se textos dos seguintes especialistas: J. Braz Nogueira, J. Nogueira da Costa, José M. Pereira Miguel, A. de Oliveira Soares, P. de Souza Ramalho, J. Vieira Barbas, A. Soares Franco, J. Gorjão Clara, Rosa Lina Pinheiro, J. A. Saavedra e Rasiklal Ranchhod.


O terceiro núcleo intitulou-se “Organizações Científicas e da Sociedade Civil” onde um conjunto de documentos e cartazes divulgou as organizações que se dedicaram, e algumas ainda dedicam, ao estudo e divulgação da doença da Hipertensão.

Núcleo 3 – Organizações Científicas e da Sociedade Civil


Manifesto do Grupo de Estudos de Hipertensão Arterial, 1989
Manifesto editado pela Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) e pela Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC), no ano de 1989, onde se apresentam textos relativos ao diagnóstico e terapêutica do hipertenso.

O grupo de trabalho foi constituído pelos seguintes especialistas: Profs. Eduardo Mota, J. Nogueira da Costa, M. Carrageta, Drs. A. Oliveira Soares, Agostinho Monteiro, Braz Nogueira, Castel Branco Mota, J. D. Alves da Silva, J. Gorjão Clara, João Saavedra, João Viegas, Lino da Silva, Mariano Pêgo, Rasiklal Ranchhod, Rui Guimarães, Sérgio Félix e Serra Pinto.


No quarto núcleo, o Museu da Saúde apresentou parte da sua coleção de esfigmomanómetros, numa perspetiva cronológica, sendo possível verificar a evolução destes aparelhos, desde o final do século XIX até aos nossos dias. Neste núcleo intitulado “História da Medição da Pressão Arterial”, foram colocados dois painéis que, resumidamente, apresentam a história da medição, um dos meios de diagnóstico e prevenção da doença.

 

 

 

 

 

 

 

 

Núcleo 4 – História da Medição da Pressão Arterial

Folheto de divulgação
Autoria: Nuno Almodôvar

 

Equipa:

Helena Rebelo de Andrade (Coord. Museu da Saúde)
Inês Cavadas de Oliveira (Museóloga)
Alexandre Pereira (Antropólogo)
*Rasiklal Ranchhod (Consultor Científico)
Nuno Almodôvar (Designer)
Plácido Teixeira (Fotografia)

imagem do post do HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL – UMA EXPOSIÇÃO DO MUSEU DA SAÚDE