Rede Médicos-Sentinela – Relatório 2016

14-03-2018

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, através do seu Departamento de Epidemiologia, divulga o relatório da Rede Médicos-Sentinela relativo às atividades desenvolvidas em 2016. Todos os problemas de saúde em estudo pela Rede durante 2016 haviam sido já estudados no passado, pelo que os resultados obtidos este ano podem ser comparados com os valores observados em anos anteriores.

Criada em 1989, a Rede Médicos-Sentinela é um sistema de observação em saúde constituído por um conjunto de Médicos de Família que exercem funções numa Unidade de Saúde Familiar ou Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados.

Tem como principais objetivos: contribuir para a vigilância epidemiológica nacional, estimando taxas de incidência de diversos problemas de saúde agudos e crónicos, permitindo o acompanhamento das tendências e a identificação precoce de surtos; criar uma base de dados nacional que possa contribuir para a investigação em serviços de saúde no âmbito dos cuidados de saúde primários.

Do presente relatório destacam-se as seguintes conclusões:

  • Diabetes mellitus tipo 2 – a taxa de incidência, na população com 25 ou mais anos de idade, foi 645,3 casos por 100 mil utentes;
  • Enfarte agudo do miocárdio – a taxa de incidência, na população com 35 ou mais anos de idade, foi 145,0 por 100 mil utentes;
  • Acidente vascular cerebral – a taxa de incidência, na população com 35 ou mais anos de idade, foi 219,7 por 100 mil utentes;
  • Depressão – a taxa de incidência, na população com 15 ou mais anos de idade, foi 1286,8 por 100 mil utentes;
  • Em relação aos anos anteriores, observou-se uma redução das estimativas pontuais da incidência de todos os problemas de saúde acima mencionados.

Consulte o relatório em acesso aberto aqui.

 

imagem do post do Rede Médicos-Sentinela – Relatório 2016