Óbitos por Gripe Pandémica a (H1N1) 2009 em Portugal período de abril de 2009 a março de 2010

07-04-2011

Artigo da autoria de Filipe Froes, António Diniz, Isabel Falcão, Baltazar Nunes e Judite Catarino, em que são analisados os 124 óbitos notificados em Portugal por gripe pandémica A (H1N1) 2009 no período de Abril de 2009 a Março de 2010.

Resumo: Procedeu-se à análise dos 124 óbitos notificados em Portugal por gripe pandémica A (H1N1) 2009 no período de Abril de 2009 a Março de 2010. A taxa de mortalidade estimada foi de 1,17/100.000 habitantes. Cerca de 60% dos falecidos eram do sexo masculino, a idade média foi de 47,6 anos e 66,7% apresentavam, pelo menos, um factor de risco para doença grave. As doenças pulmonar e cardíaca crónicas foram os factores de risco mais prevalentes, identificados em 24,7% e 20,7% dos casos, respectivamente. Mais de ¾ dos doentes foram internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI). A pneumonia viral primária foi a principal causa de morte, diagnosticada em 79,7% dos doentes. Constatou-se haver diferença estatisticamente significativa em relação à distribuição da causa de morte nos grupos dos indivíduos com e sem factores de risco (p=0.048). Estimaram-se em 2 853 os anos potenciais de vida perdidos, o que equivale a 30,8 anos por 100.000 habitantes. Os valores encontrados são comparáveis, na generalidade, com os encontrados noutros países com o mesmo nível de desenvolvimento. Em futuras circunstâncias semelhantes deverá ser equacionada a notificação obrigatória dos casos de maior gravidade.

Palavras-chave: gripe pandémica, óbitos, mortalidade.

Autores: Filipe Froes, António Diniz, Isabel Falcão, Baltazar Nunes, Judite Catarino
Departamentos: Epidemiologia
Áreas de trabalho: Estados de Saúde e de Doença

imagem do post do Óbitos por Gripe Pandémica a (H1N1) 2009 em Portugal período de abril de 2009 a março de 2010