Dia Mundial da Água 2019

22-03-2019

Comemora-se a 22 de março o Dia Mundial da Água, data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1993, com o objetivo de promover a reflexão e discussão sobre problemas relacionados com os recursos hídricos. Todos os anos, o dia é assinalado a partir de um tema, sendo que em 2019 o lema escolhido pela ONU é “não deixar ninguém para trás”, indo de encontro ao 6.º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável, que visa assegurar o acesso a água potável e saneamento a todos os cidadãos do mundo até 2030.

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, através da sua Unidade de Água e Solo do Departamento de Saúde Ambiental, desenvolve várias atividades de vigilância e controlo da qualidade das águas nas vertentes química, microbiológica e ecotoxicológica, contribuindo assim para a prevenção e identificação de riscos para a saúde dos cidadãos resultantes das diversas utilizações da água: água para consumo humano, águas de piscina ou tanques terapêuticos, águas balneares, águas de rega, águas piscícolas, águas utilizadas na preparação de soluções de hemodiálise, águas de processo, residuais, entre outras.

Um aspeto que hoje se destaca pela sua importância em saúde pública é a eutrofização das massas de água doce superficial devido à sua contaminação com matéria orgânica, maioritariamente de origem antropogénica e que se traduz, entre outros problemas, no crescimento de microalgas, em particular de cianobactérias. Estas podem desenvolver-se massivamente (denominando-se de florescências ou blooms) levando ao desequilíbrio do ecossistema aquático e estão frequentemente associadas à produção de toxinas (cianotoxinas) com efeitos hepatotóxicos ou neurotóxicos.

Atualmente a legislação relativa à qualidade da água para consumo humano apenas inclui a pesquisa de um tipo de cianotoxinas: as microcistinas, consideradas as cianotoxinas mais disseminadas a nível mundial. No entanto, a problemática da ocorrência simultânea de várias toxinas em massas de água tem vindo a ganhar um interesse crescente da comunidade científica, pelo que a inclusão de outras cianotoxinas na legislação deveria ser ponderada.

Em Portugal, a monitorização das águas doces superficiais relativamente às cianobactérias e toxinas associadas é assegurada por várias entidades, entre estas o Instituto Ricardo Jorge, mas a sua informação não se encontra devidamente sistematizada. Segundo a UAS, esta situação dificulta a identificação dos reservatórios de água superficial onde o crescimento de microalgas, em particular de cianobactérias, é frequente, bem como identificar locais com necessidade de realização de estudos epidemiológicos nas populações, de forma a caracterizar o risco associado às florescências cianobacterianas no nosso país.

ONU Água | Dia Mundial da Água (em inglês)

imagem do post do Dia Mundial da Água 2019