DEZEMBRO 2015

02-12-2015

Cartaz de campanha. N.º de inventário: MS.CRT.01791

Joulumerkki

38,6 x 27,5 cm

Cartaz finlandês, editado pelo Banco da Finlândia, para angariação de fundos na luta contra a Tuberculose em crianças, através da divulgação do Selo Antituberculoso o qual era impresso durante a quadra natalícia.

A ilustração do cartaz apresenta o desenho de uma figura masculina, um clarim, envergando traje e corneta, simbolizando a divulgação de uma notícia, impresso a azul sobre fundo dourado. Destaca-se a Cruz de Lorena, a vermelho, no lado direito da imagem e, em baixo, a data do cartaz, 1934.

Juntamente com os cartazes, as instituições de combate à Tuberculose desenvolveram a tradição de, anualmente, editar um Selo, outro meio de divulgação de mensagens sobre a prevenção e o tratamento da doença e de angariação de verbas.

No início do século XX, um carteiro dinamarquês, Einar Hoelboel, criou uma vinheta para se afixar voluntariamente na correspondência adquirida por uma pequena quantia, contribuindo para a recolha de fundos. O sucesso da ideia permitiu que, no espaço de dois anos, fossem obtidas verbas suficientes para a construção de dois Sanatórios para crianças.

Em Portugal, a tradição do selo antituberculoso é igualmente centenária. Em 1903, foi mandado emitir um selo da A.N.T., sob desenho de Domingos Alves do Rego, de porte franco, que permitia à A.N.T. usufruir da dispensa de pagar franquia postal, benesse de que usufruía desde a sua fundação, em 1899.

Todavia, a edição de selos (ou de vinhetas) destinados a obter contribuições voluntárias só se iniciou, em Portugal, em 1929, sendo a primeira iniciativa da senhora D. Irlinda Rebelo, funcionária da A.N.T., que mandou imprimir 20 000 exemplares de um selo, a expensas suas, o qual se inspirava num quadro do pintor Veronese, representando a Ciência. Nos últimos anos, a mensagem predominante liga-se com a prevenção, não só da Tuberculose como de outras doenças respiratórias.

O cartaz pertence à coleção da Tuberculose, a qual preserva a memória histórica do combate contra esta doença em Portugal, entre os finais do século XIX e as três primeiras décadas do século XX, com o espólio proveniente da Assistência Nacional aos Tuberculosos (A.N.T.), instituição criada em 1899 pela Rainha D. Amélia.

imagem do post do DEZEMBRO 2015